40 anos da vida de uma negra: “A cor púrpura”

“Querido Deus… Querida Nettie” Escrito em forma de cartas, o livro de Alice Walker traz uma narrativa bem pessoal sobre a vida de Celie, iniciando na sua adolescência percorrendo todas as intempéries da sua caminhada até a sua velhice. O livro é escrito por uma negra sobre negros nos EUA, no período entre guerras e o estopim da segunda guerra (1900 – 1940).

Cor
Fonte: Pisovelho

Celie foi estuprada, teve seus filhos distanciados, cresceu em uma casa cheia com dificuldades, casou-se com um homem que não a amava. Celie é o retrato de muitas mulheres, que simplesmente ignoramos.

“As minina tinham um quartinho separado, eu falei, fora, ligado na casa por um curredorzinho de tábua. Ninguém nunca passava ali, só mamãe. Mas uma vez quando mamãe num tava em casa, ele veio. Falou pra mim que ele queria queu cortasse o cabelo dele. Ele pegou a tisoura e o pente e a escova e um banquinho. Enquanto eu cortava o cabelo dele ele olhava pra mim de um jeito engraçado. Ele tava um pouco nervoso também, mas eu num sabia porque, até que ele me agarrou e fez o que queria comigo entre as perna dele” p. 134

Quantas meninas passaram a vida sofrendo caladas, sendo abusadas por seus parentes. Pior, quantas ainda passam por isso? É importante perceber como a escrita da Alice Walker tenta aproximar o discurso do personagem para o leitor, a escrita deficiente, cheia de palavras escritas semelhante a oralidade para demonstrar quão fraca é a formação da Celie.

Se checarmos alguns dados rápidos, podemos observar que as cotas de ação afirmativa foram implementadas por JFK, em 1961 estendendo-se às instituições educacionais em 1972 (OLIVEN, 2007). No Brasil, segundo dados do IBGE (2010), o analfabetismo entre negros a partir dos 15 anos, é de 13,3% enquanto para brancos na mesma faixa etária, o número reduz para 5,9%.

Não vou me ater muito a história do livro, mas comentar sobre alguns aspectos importantes que o livro traz. Por exemplo desses aspectos, a relação da irmã de Celie, a Nettie, a qual vai ser missionária na África e dedica-se ao estudo da Bíblia e relata os ambientes que ela frequentou.

“Todos os etíopes da Bíblia eram pretos. Isto nunca tinha me passado pela cabeça, se bem que quando a gente lê a Bíblia isso fica perfeitamente claro se a gente prestar atenção só nas palavras. São os desenhos da Bíblia que enganam. Os desenhos que ilustram as palavras. Neles, todas as pessoas são brancas e por isso você pensa que todos os personagens da Bíblia também são brancos. Mas os verdadeiros brancos viviam num outro lugar naquela época. É por isso que a Bíblia fala que o cabelo de Jesus Cristo era que nem lã de cordeiro. Lã de cordeiro não é lisa, Celie. Não é nem anelada.” p.161

É comum ainda hoje, vermos ilustrações da bíblia com o “Jesus europeu”, uma representação distante do seu ambiente e distante do discurso.

oraculo_
Fonte: Superinteressante

” Fiquei meio de moral baixa após sair da Sociedade. Em cada parede tinha a fotografia de um homem branco. Um fulano chamado Speke, um outro chamado Livingstone” p. 163

Outro aspecto importante a ser pontuado é como Celie não conhece o próprio corpo e não consegue sentir prazer na relação sexual, como ela deixa de estar ali e acredita que é algo somente do homem. Ela se refere como ele vai e faz o seu negócio (business), o que deixa mais explícito a ser algo externo a ela, algo que ela se encontra a parte.

A cor púrpura não é somente sobre Celie, mas o universo ao seu redor. É sobre mulheres negras, é sobre negros marginalizados, sobre uma sociedade caída, sobre a vida e suas desigualdades, sobre realidades que precisam ser conversadas.

WALKER, Alice. A Cor Púrpura. 1982, 10ª Edição, Editora José Olympio, Rio de Janeiro – RJ. 2016

ESTADÃO. Analfabetismo entre negros é mais do dobro que entre brancos. Publicado em 17 de setembro de 2010. Acesso em 03 de Novembro de 2017, às 21:55
<http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,analfabetismo-entre-negros-e-mais-do-dobro-que-entre-brancos,611316&gt;

OLIVEN, A. C.. Ações afirmativas, relações raciais e política de cotas nas universidades: Uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil os Estados Unidos e o Brasil. Educação. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 1 (61), p. 29-51, jan./abr. 2007

Advertisements

Posfácio #011 – O soldador Subquático

 

Em um dia de tédio, o que mais precisamos é de uma boa leitura. Confesso que inicialmente não era meu interesse ler esse HQ do Jeff Lemire, mas passei algumas páginas… Olhei a diagramação, vi os traços fortes e significativos, vamos dar uma chance.

“A maré está alta e o vento a estalar
Mas esse velho navio nunca irá afundar
Estamos em alto-mar, a dias do chão
Mas se estiver assustado é só pegar minha mão”

Confesso que foi uma boa leitura durante a espera na universidade, é um livro rápido e intrigante. Os traços te fazem mergulhar junto com o soldador, não só em alto mar mas no passado do personagem. A relação dele com pai, a infância e os conflitos atuais.

Nem sempre estamos dispostos a voltar no passado e resolver as coisas para estarmos bem no presente, porém o soldador é instigante justamente por isso: a audácia de querer enfrentar e resolver.

É importante estar atento aos detalhes, o motivo que os objetos foram colocados naquela ordem específica, e caminhar junto com Jack diante dos desafios propostos na trama.

O soldador subaquático
Jeff Lemire
Editora Mino
2016

Posfácio #010 – Chimamanda Ngozi Adichie

Sim, vou trazer os quatro livros pra “roda”. Vão ser breves comentários, mas o importante é falar sobre os livros e sobre a Chimamanda. Ela tem sido bastante conhecida por seus discursos no youtube a popularização deles em e-books. Nigeriana que vive nos EUA, seus romances se passam na Nigéria e dá um apanhado sobre a cultura local desse país.

Organizei os livros de acordo com a ordem em que foram lidos por mim.
Lembrando que todos os livros são publicados pela Companhia das letras.

SEJAMOS TODOS FEMINISTAS (2013)

Esse pequenino livro é fruto da transcrição da palestra popular da Chimamanda, que recebe o mesmo título (link no youtube). O livro se encontra disponível gratuito tanto na Amazon, quanto na Saraiva (só baixar os leitores digitais). Voltando ao livro, a autora vai conversando sobre situações que causam revoltas por mulheres, pela forma que são enxergadas e o que acontece.

Algo que chama atenção são as tantas vezes que ela fala que isso causa raiva, e que não devem ser menosprezadas pois são situações sérias. Falar sobre feminismo não é só falar sobre mulheres, mas falar sobre os homens também. Ela vai contando várias situações de amigos e que ela mesma passou que nos faz refletir sobre o mundo que temos vivido.

“Perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocupar com o que os meninos pensam delas. Mas o oposto não acontece. Não ensinamos os meninos a se preocupar em ser “benquistos”. Se, por um lado, perdemos muito tempo dizendo às meninas que elas não podem sentir raiva ou ser agressivas ou duras, por outro, elogiamos ou perdoamos os meninos pelas mesmas razões”

Algo que posso deixar como “dica” é o discurso equilibrado que é levado ao longo de poucas páginas e comunica muito bem o feminismo. E por isso, é ótimo para indicar para pessoas conhecerem a causa.

PARA EDUCAR CRIANÇAS FEMINISTAS (2017)

Esse tem um discurso bem pessoal, são “cartas” em resposta a uma amiga da Chimamanda, onde ela vai pontuando algumas coisas importantes para essa mulher que acabou de ser mãe.

“Pai é verbo tanto quanto mãe” Interessante, não? Por vezes, algumas pessoas conseguem transmitir uma multidão de significados em pequenas sentenças e essa é uma delas. Os pontos apresentados por Adichie não são atos extremamente revolucionários, mas são coisas do dia a dia, atos que devem ser feitos naturalmente e são possíveis de serem feitos.

“Tente não usar demais as palavras como ‘misoginia’ e ‘patriarcado’ com Chizalum. Nós, feministas, às vezes usamos muitos jargões, e o jargão às vezes pode ser abstrato demais. Não se limite a rotular alguma coisa de misógina – explique a ela por que aquilo é misógino e como poderia deixar de ser.”

E isso foi uma das observações que mais me saltaram os olhos. Vivemos dias de falas expressas que nem sempre comunicam, nos comentários raivosos do facebook várias etiquetas são colocadas e isso nem sempre comunica algo: hétero-branco-classe média-misógino-preconceituoso-homofóbico-privilegiado. É necessário pensar sobre isso.

AMERICANAH (2013)

Ifemelu é a personagem principal que cresce em Lagos nos anos 90, e por causa dos conflitos internos do país, muda-se para os EUA para cursar a faculdade. Aos poucos, o romance vai passeando por conflitos políticos da Nigéria, posteriormente dos EUA (até a eleição de Obama), conflitos familiares e individuais.

Quando estável nos EUA, Ifemelu começa um blog onde fala sobre as perspectivas de uma nigeriana nos EUA, e isso vai abrindo diversas conversas sobre n situações, quer seja sobre a mulher, sobre ser negra, sobre ser estrangeira… Aliás, tenho que admitir que isso foi uma boa sacada da Adichie pra permitir esse leque de pensamentos e informações que giram em torno da personagem.

“Mas raça não é biologia; raça é sociologia. Raça não é genótipo, é fenótipo. A raça importa por causa do racismo. E o racismo é absurdo porque gira em torno da aparência. Não do sangue que corre nas suas veias. Gira em torno do tom da sua pele, do formato do seu nariz, dos cachos do seu cabelo”

E isso traz uma grande riqueza de informações ao livro, por algumas vezes, cenas são construídas de forma a imergir o leitor dentro do ambiente, e quando por pressa perguntamos se haveria tal necessidade de tamanha descrição. Porém, aquilo que o livro quer mostrar é a realidade daquele cenário, detalhando o ar seco das ruas, os cantores mais populares ou as pessoas presentes em uma sala de estar.

HIBISCO ROXO (2003)

O meu queridinho e o mais recente de minhas leituras.

Kambili é a personagem da vez, menina de 15 anos que cresce em uma família com um pai extremamente religioso, e dentro desse contexto vai levando ao questionamento sobre a catequização da Nigéria, como a cultura deles se transforma em algo totalmente pagão ao olhar dos religiosos. Como exemplo disso, o fato das missas serem realizadas em inglês.

“O que a Igreja está dizendo é que só um nome inglês torna válida a nossa crisma. O nome ‘Chiamaka’ diz que Deus é belo. ‘Chima” diz que Deus sabe mais, ‘Chiebuka’ diz que Deus é o melhor. Por acaso eles não glorificam Deus da mesma forma que ‘Paul’, ‘Peter’ e ‘Simon’.”

E o foco desse livro seria justamente as relações de religiosos extremistas e outros que conseguem ter uma visão mais equilibrada e com melhor leitura de sua cultura. Como também e não menos importante, a violência doméstica. Cenas muito tristes e pesadas são tratadas na trama, cenas de silêncio diante das ações e conformidade com total atrocidade.

O livro tem um final que chama bastante atenção, como as situações e simbolismos foram bem amarrados para finalizar o enredo e como cada elemento foi bem colocado.

(Falarei sobre outros aspectos desse livro no medium)

[SOBRE OS DOIS ÚLTIMOS LIVROS]
Tanto em Hibisco Roxo como em Americanah, alguns elementos da cultura nigeriana são retratado profundamente. Os artistas como Feia, Osadebe, Onyeka Onwenu e Fela Kuti, os quais nunca tinha ouvido falar antes de ler sobre eles. Em rápida googleada sobre, pouca informação é mostrada, alguns ainda são disponíveis em plataformas como Spotify e YouTube, com músicas que duram de 12 – 20 minutos em média. E não há tradução disponível sobre as letras cantadas.

Por momentos nas narrativas, várias palavras e frases em igbo são trazidas no texto e as traduções ausentes, isso não impede de compreender o texto o sentido dele em sua integridade. Porém, seria bom saber o que realmente aquelas interjeições e expressões significam.

Isso me levou a refletir como as culturas africanas são deixadas à margem em nossa sociedade e meios de comunicação, como sabemos pouco e temos pouco acesso a esse universo. Cabe abrir espaço para essa reflexão.