Carta aos amigos de longa data

Olá,

Faz tempo que não conversamos ou entregamos a nós mesmos as risadas que antes eram bem expansivas e presentes. Faz tempo que não vivenciamos coisas juntas. Faz tempo que nos ocupamos, mudamos, construímos e desconstruímos, brigamos e nos abraçamos. Faz tempo.

Estou bastante relutante em escrever sobre nós, sobre o que tínhamos ou que temos, o que restou ou o que não há mais. Eu provavelmente não fui uma boa amiga em muitas situações, às vezes é muito difícil lidar com as diferenças e dizer que irei lutar pelo direito do outro falar. Por vezes só quero que me escutem também. E tantas vezes meu silêncio só assistiu as diferenças pronunciadas em minha frente.

Nem sempre a vida beneficia as pessoas e suas relações, nem sempre o tempo é favorável com as coisas. Por vezes, eu tive vontade de me mudar novamente e fugir das responsabilidades, tive medo de encarar coisas que eu precisava encarar e novamente fugi e me ausentei.

Hoje, eu não sei muito o que fazer, parece uma nuvem de poeira que se encontra bagunçando toda a minha cabeça. Parece que perdi o jeito de tratar as pessoas, de até que ponto eu estou ajudando e até que ponto estou prejudicando. Eu não sei muito bem lidar com perdas ou certas distâncias, existem pessoas que passaram com grande facilidade na minha vida, caminharam por seus caminhos e hoje nem as encontro, mas sou feliz pelo tempo que durou.

Porém, acho necessário deixar o rio correr para o mar, não estou muito forte para ir convidar, chamar, iniciar conversas. Sei que do outro lado também não há essa mesma força, e uma coisa que tenho aprendido é que nem sempre vamos conseguir levar todas as pessoas no nosso barco, e isso não é negativo. Pelo contrário, as cargas precisam ser divididas. E mais barcos vem se tornando necessários.

Talvez, nossas incompatibilidades estejam pesando muito mais no barco e não sei se consigo sustentar. Quando eu estou em uma direção e outros puxam o leme para outra direção.

E isso não quer dizer que deixo de olhar e admirar seus feitos e suas vidas, não peço que sejamos estranhos, mas que tenhamos consideração. Nem sempre todas as pessoas que nos relacionamos e encontramos serão de relacionamentos profundos e desabafos e total entrega e muita proximidade e intensidade. E nem por isso deixaram de ser importantes.

Queria evitar mal estar, evitar coisas mal resolvidas, deixar assentar essa poeira que tanto me bagunça. Porém enquanto tudo isso ocorre, a vida corre e é necessário também caminhar.

Espero que não só saiba das notícias da vida de vocês por facebook e mudanças de status, não somos desconhecidos ou somente conhecidos por redes, na verdade ainda temos amizade. Espero abraçar com uma nostalgia boa e de um tempo que foi bem aproveitado e trazemos com boa lembrança, espero compartilhar as coisas boas e as dificuldades, mesmo que seja de ano em ano, aniversário em aniversário, mas que seja feito com sinceridade.

Uma vez li que pedir perdão não é sobre realmente dizer “perdão” mas dizer o que se fez de errado. Aqui, com muito zelo, depositei minhas ausências e dificuldades.

Perdoando nossas falhas para sermos perdoados,
Caminhemos ao futuro que nos é apresentado todos os dias, amigos.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s